Translate

Centelhas de Luz - Destaque pra vocês!

domingo, 19 de junho de 2011

Alteração geológica da Terra

Rachadura gigante no deserto na África!

Antônio Paes

Recebi esta matéria do meu amigo português Antonio Paes.
É um tanto assustador o que está acontecendo em nosso Planeta...
Mais assustadora ainda é a falta de informação sobre estes fenômenos.

De acordo com Paes: "A minha página inicial na internet é de um jornal alemão. Hoje, antes de abrir a caixa de e-mails passei os olhos nas notícias como sempre faço, e descobri uma notícia no lado da página, bem pequena, falando que 'no meio do inferno de lava, o oceano estava entrando no deserto da África'.

Abri a página e vi coisas espantosas acontecendo na África, na parte da Etiópia, Somália indo até Moçambique. Vulcões intraoceânicos estão em erupção e uma fenda de vários metros dividiu a África em duas partes e o oceano está entrando, onde antes era deserto. Os cientistas estão espantados com a rapidez deste acontecimento e dizem que o solo já apresenta todas as características de solo de fundo de mar, só falta a água..."

Rachadura (fissura) na Etiópia

Fenda sofre um processo vulcânico praticamente igual ao que ocorre no fundo dos oceanos.
Rachadura na etiópia tem 56 km de comprimento e pode dar origem a um novo oceano.


Uma equipe internacional de cientistas diz que uma rachadura existente no solo da Etiópia representa, provavelmente, a formação de um novo oceano. A fenda, que tem 56 km de comprimento, sofre um processo vulcânico praticamente igual ao que ocorre no fundo dos oceanos.


A rachadura se abriu em 2005, quando um vulcão chamado Dabbahu entrou em erupção, derramou lava no local e começou a aumentar o tamanho da fenda nas duas direções. Em poucos dias o "buraco" já tinha praticamente o mesmo tamanho que tem hoje.

Maiores vulcões da Etiópia.

Rift Valley, a fissura que está se abrindo

Em um estudo publicado na revista científica Geophysical Research Letters,
os pesquisadores dizem que o objetivo era entender se o que está acontecendo na Etiópia
acontece também no fundo dos oceanos, onde, dizem eles, é praticamente impossível ir.
Agora eles confirmaram que isso é verdade. Estudiosos da Etiópia,
Estados Unidos, Inglaterra e França estão envolvidos no projeto.


A ficção científica voltou a virar realidade na semana passada, com um anúncio feito por cientistas da universidade de Oxford. Eles estão monitorando uma grande rachadura que surgiu na crosta do nosso planeta, depois de um terremoto ocorrido na África, em setembro do ano passado.


A rachadura está crescendo com uma velocidade sem precedentes e é a maior já vista em séculos.
Com 60 quilômetros ela pode chegar ao Mar Vermelho, separando a Etiópia e a Eritréia
do resto do continente africano e criando um novo oceano.


Terremotos que causaram as fissuras e os dias

Date - Events - Magnitude

14 Sep 2005 - 1 - 4.6
20 Sep 2005 - 2 - 5.5
21 Sep 2005 - 16 - 4.9
22 Sep 2005 - 12 - 4.9
23 Sep 2005 - 9 - 4.8
24 Sep 2005 - 29 - 5.6
25 Sep 2005 - 42 - 5.2
26 Sep 2005 - 9 - 5.2
27 Sep 2005 - 1 - 4.5
28 Sep 2005 - 5 - 5.1
29 Sep 2005 - 2 - 4.8
01 Oct 2005 - 1 - 4.5
02 Oct 2005 - 1 - 5.0
04 Oct 2005 - 1 - 4.5


Outra região semelhante, mas muito mais perigosa é o chamado Cinturão de Fogo do Pacífico, perto do sudeste asiático. Lá, a crosta terrestre está se abrindo no fundo do mar, o que provoca abalos submarinos capazes de gerar ondas gigantes, os tsunamis, como os que atingiram recentemente a Indonésia. Não há nada que a humanidade possa fazer para deter esses processos de movimentação da crosta do Planeta. As populações que moram nessas regiões geologicamente ativas podem apenas se precaver, instalando bóias de alerta contra tsunamis e evitando morar perto dos vulcões e das fendas em atividade, como esta da África.


Mais de 2,5 quilômetros cúbicos de lava incandescente
já brotaram da rachadura, o suficiente para encher mil estádios de futebol.

Como cresce o fundo do mar:

As placas que formam a crosta do nosso planeta flutuam como balsas em cima de um oceano de magma, ou rocha derretida a mais de mil graus de temperatura. Assim, sempre que uma fenda se abre, a lava brota do interior do planeta, preenchendo rapidamente a abertura. Quando a lava esfria, ela se solidifica formando uma nova crosta no lugar da que se partiu. O fundo do mar cresce deste modo, com a América do Sul e a África se afastando gradualmente, enquanto a rachadura no meio do oceano vai sendo preenchida com camadas de um novo solo marinho.

No caso da fenda na África, o novo solo formado no interior da fenda vai ficar abaixo do nível do mar, provocando a gradual invasão das águas do Mar Vermelho e formando um novo oceano. Isso faz com que a geografia do planeta mude gradualmente ao longo das eras. Se um viajante do tempo chegar na Terra, daqui a 250 milhões de anos, vai ter que desenhar um novo mapa do mundo. Porque provavelmente a Califórnia já terá se separado dos EUA, a Etiópia do resto da África e é provável até que a América Central tenha se fragmentado, criando um braço de mar a unir o Atlântico e o Pacífico. (JLC)

Por Clélia Dahlem da Silva

De acordo com Antonio Paes, esta matéria estava no meio de notícias de futebol, bolsa de valores, política, etc. Sem nenhum destaque, como se não fosse um fato da maior importância pra humanidade.
"Como já sabemos, muita coisa nos está sendo ocultada. Mais que nunca a oração e a coligação com o alto são necessárias!" (Antonio Paes)

Nenhum comentário: